18 de jul de 2009

Desativação de Serviço Discado - dial-up




Após 9 anos de atividades, estou desativando um serviço de rede que pra mim, marcou o início de um novo tempo e muitas coisas boas. Já em 1998, comecei a conhecer Software Livre, através de pesquisas para a Faculdade que cursava, o curso era Gestão em TI, primeira turma da PUC em São José dos Pinhais. Lembro-me que preparei uma apresentação com a finalidade de mostrar as diversas caracteristicas do GNU/Linux e foquei principalmente nos serviços de rede, como Samba, Servidores de e-mail, de banco de dados, serviço ftp, ssh entre outros. Foi nesta fase que comecei a comprar revistas, nas quais tinhamos os cds de diversas distribuições. O problema maior que eu tinha, eram as velhas máquinas. Nenhuma instalação dava certo. Pense na escassez de hardware, o que sobrava eram os piores equipamentos. Se hoje tem PIII, PIV etc sobrando, àquele tempo tinhamos 386 ou 486 somente.
Mas foi através destas buscas que em 2000, através da Revista do Linux que era editada pela Conectiva SA., que comecei a entender um pouco mais de Linux e principalmente, ver cases de outras empresas, dentre elas, grandes empresas como Compaq, e também a conhecer hardware especializados, como a que adquiri da Cyclades. O equipamento era uma placa multiserial, com processador Risc, chamada de Y-séries, que tem como objetivo a ligação à modens seriais. Nesta instalação especificamente, uma multiserial com 8 cabos e 8 modens seriais externos. Então, conhecendo os serviços de rede do GNU/Linux através das publicações da Conectiva, à qual mais tarde escrevi alguns artigos, foi fácil atender à demanda que tinhamos na empresa, para transmissão de dados entre automação comercial e o CPD.

Trilhando os Caminhos da Liberdade, parece até tema de palestras (quem sabe para a Latinoware), foi assim o primeiro servidor: a empresa usava um serviço de envio de dados através de uma grande operadora de telefonia, na qual, o preço pago era pela transmissao de dados, contando tempo e bytes transmitidos, o que na pratica éra um tiro no pé, pois pagava-se para enviar, para armazenar, para receber na outra ponta (vendedores) e pagava novamente para enviar os dados para a empresa. As tecnologias que as operadoras usavam eram STM400 e o Envia PopMail. Some-se a isso os custos por minuto que cada conexão gerava!

No estudo que foi feito, levantamos todos estes detalhes incluindo à questão administrativa, pois a cada código de vendedor novo criado era preciso longos dias de espera até que a operadora de telefonia resolvesse atender e fazer o cadastro. Preparamos o primeiro servidor então, instalamos a placa Cyclades e em pouco tempo migramos toda a transmissão de dados diretamente para nosso servidor. Ganhamos em tempo, em autonomia e em custos. Hoje estou desabilitando o serviço de tranmissão via dial-up, em virtude da migração para GSM/GPRS, mas todo o know-how iniciado com este sistema foi, ou melhor, é a base para novos desafios.

Foi a partir destes estudos com Software Livre que passamos a usar muitos serviços de rede, tais como e-mail, DNS, Firewall, Mars_nwe em substituição ao Netware 3.12 e agora SAMBA como principal sistema de arquivos.

Específicamente sobre o Mars_nwe, também tive uma grande experiencia como servidor de arquivos e de impressão, sendo que um case interessante, também foi desativado recentemente substituido por SAMBA.

A quem está iniciando agora no mundo Linux, observem atentamente as necessidades e demandas das empresas. Procurem perceber que sem trabalho e um pouco de sacrificio projeto algum vai em frente. Aproveitem a grande oferta de hardware de baixo custo e coloquem a mão na massa. Em especial, usem a internet para conhecimento, comprem livros e principalmente leia-os. :)

Na próxima postagem, vou falar um pouco sobre o "Modo Texto" e minhas experiencias.