27 de mar de 2013

Dia da Liberdade dos Documentos (27/03/2013)

Dia da Liberdade dos Documentos
#dfd
Pensando no dia da liberdade dos documentos, lembro-me dos primeiros editores de textos e das primeiras planilhas eletrônicas. Por exemplo, no MSX (HotBIT Sharp) trabalhava muito bem com o HotCalc, um programa que era carregado de um cartucho inserido no Slot A; O programa para edição de textos, era carregado diretamente do tape recorder através de cabos na entrada "aux", após alguns minutos de leitura e um pouco com sorte. Neste cenário, minhas planilhas e documentos, incluindo coisas profissionais, eram salvos nestas fitas cassete. As coisas profissionais a que me refiro, também eram  impressas em uma impressora eletro-mecânica, que era o caso da Praxis 20, uma Olivetti devidamente adaptada com uma interface paralela. Nos 1980-1990 era assim, todo mundo que aprendeu naquele tempo, tem conceitos. No anos 1990-2000, experimentamos diversas tecnologias para edição de documentos e planilhas, dentre estas tecnologias o Editor Fácil, para texots, EasyCalc para planilhas para citar somente alguns. Empresas com poder econômico e reserva de mercado, transformaram a Fácil Informática em sombra do passado! 

Segundo Maiko Rafael Spiess / Marcos Antônio Mattedi [1] "Enquanto o Fácil para MS-DOS traduzia interesses com uma facilidade espantosa, por justamente “se deixar alistar” pelos interesses alheios, como a adequação à língua portuguesa, o Fácil para Windows encontrou um ambiente muito mais hostil. Enquanto o primeiro, em termos práticos, precisava apenas demonstrar ser um todo coerente e funcional para ser adotado, utilizado e incorporado por outros atores, o segundo precisou envolver-se em traduções de interesses cada vez mais tortuosas e menos favoráveis. Eventualmente, as bem-sucedidas estratégias de translação de interesses empregadas pela Microsoft, envolvendo um novo paradigma de sistema operacional, aplicativos integrados e a opinião especializada, fortaleceram ainda mais uma rede local coerente e estável, a ponto de ela atrair para si a força da grande maioria dos usuários de microcomputadores desde então. Os usuários foram convencidos pela Microsoft que a realização de seus interesses e o futuro da informática passavam necessariamente pelo Windows e pelo processador de textos Word. O Fácil, por outro lado, ainda um produto viável, mas progressivamente com menos destaque na mídia especializada, sem o aparato de marketing e pesquisa da gigante norte-americana, atraía cada vez menos aliados e consumidores. Conforme ele se enfraquecia, menos convincente se tornava em uma futura negociação de interesses. Com seus antigos compradores sendo convencidos pela Microsoft, a força dos processadores de textos Fácil foi rapidamente drenada em direção ao Microsoft Word e seus programas irmãos..."

Dito isto e torcendo muito que você tenha se interessado até aqui, lembro que as fitas citadas acima já não são mais possíveis de  serem lidas e os arquivos não são mais recuperáveis. Então, da mesma forma que somos atores no cenário da tecnologia, somos impactados por ela enquanto cidadãos, empresas ou governos. A experiência, estudos e organizações mostram que cuidados devem ser tomados para que nossos documentos (no sentido amplo) devão ser tratados como um bem que precisa ser preservado. Iniciativas como Document Freedom Day [2] ou Dia da Liberdade dos Documentos [3] devem ser estimuladas como uma grande conquista, ou ainda, uma grande "construção social", mesmo que  pressionada pelos formatos fechados;

Finalizo com o pensamento abaixo do Sr Charles-H. Schulz, Director da Document Foundation e Membro da administração do OASIS Consortium:

"Liberdade Documental é uma parte enorme da nossa liberdade digital, e no entanto a que se presta pouca atenção. Toda a gente devia poder usar, reutilizar e distribuir livremente documentos digitais e os dados contidos neles. Infelizmente formatos fechados e proprietários restringem a nossa liberdade de poder usufruir dessas liberdades e de interoperar bem com outros. Para que se possa permitir e garantir a liberdade documental precisamos de usar, promover e desenvolver verdadeiros standards abertos que não tenham problemas de patentes, e de usar software e tencologias inovativas e inclusivas. O Software Livre pode ter um papel para ajudar muito nestes assuntos." Fonte http://www.documentfreedom.org/testimonials.html

Referências:
[1](Maiko Rafael Spiess, Marcos Antônio Mattedi, pg 463 <http://www.scielo.br/pdf/mana/v16n2/08.pdf>, acesso em 27/03/2013)
[2] http://www.documentfreedom.org/index.pt.html
[3] http://documentfreedom.org.br/